Você já se viu ajudando alguém e depois percebeu que sua energia foi sugada por essa pessoa? Sentiu que ficou muito cansada? Eu lido há muito tempo com esse tema e muitas mulheres o trazem no consultório como um dos seus desafios.

Já sentiu que ajudou uma pessoa e ela não estava muito a fim de ser ajudada?
Já sentiu ingratidão diante de um apoio que você deu?

Identificar essas respostas são pontos importantes para ganharmos consciência, potencializarmos nossa energia e podermos agir da melhor forma quando o tema for AJUDA.

Como esse assunto me toca?

Esse é tema muito familiar na minha vida e me acompanha desde menina. Venho de uma família kardecista, que sempre esteve envolvida com causas sociais. A colaboração sempre esteve presente. Também estudei em um colégio de freiras que sempre me estimulou a realizar ações que envolvessem ajudar o próximo.

E, logo que comecei o meu processo de autoconhecimento, ele estava presente também. Eu percebi que a forma que eu ajudava não era a melhor forma. A partir disso, comecei a compreender qual seria o melhor caminho para ajudar as pessoas de forma respeitosa e que não sugasse minha energia.

Sugestões para ajudar com consciência

Se você sentiu que ajudou alguém e sua energia foi sugada, trago alguns pontos para você investigar.

1) A pessoa que você está ajudando te pediu ajuda? Se ela pediu, ok. Se não pediu, a minha sugestão é que você se retire, pare o que estava fazendo. Quando oferecemos ajuda sem a pessoa ter pedido, entramos em um campo que não nos cabe, passamos do limite do outro, somos desrespeitosos. Isso tira o poder e a responsabilidade do outro. Se insistirmos nesse movimento, nos sentiremos sobrecarregadas.
Se ela pediu ajuda, faça as três perguntas: “Eu posso ajudar?”; “Eu devo fazer isso?”; “Eu quero?”. Essas três perguntas me apoiam sempre que alguém me pede ajuda.

2) Perceba se você está cuidando das suas necessidades. Você tem clareza delas? Você tem pra dar? A metáfora que mais me inspira sobre ajuda é a máscara de oxigênio quando recebemos a orientação no avião para colocarmos primeiro a máscara de oxigênio na gente para só depois ajudarmos outra pessoa. É importante ter consciência dos recursos que temos para apoiar alguém.

3) Eu tenho consciência dos meus limites? Se eu não conheço meus limites dificilmente vou saber o quanto tenho para dar. Conhecer nossos limites é muito importante quando entramos em uma relação de ajuda. Você sabe as suas bordas e sabe comunicar ao outro quais são os seus limites?

Assista ao vídeo que preparei no meu canal do YouTube sobre esse tema:

Espero que este texto te inspire de alguma forma. Se tiver alguma sugestão de conteúdo, mande mensagem pra mim no Instagram. Estou disponível pra gente trocar mais sobre esse tema.

Sente que precisa de apoio para esse tipo de assunto e outros que estão vivos em você? Tenho estes dois trabalhos que você pode conhecer mais: Terapia e Terapia Breve.

Leia também:
Cansaço e estresse: como lidar?
O que é autoconhecimento e por onde começar?
Como acordar a escuta do nosso corpo?

Open chat